O jornal eletrônico de Águas Claras • Quinta Feira, 20 de Setembro de 2018

0

Idoso

Central do idoso atende mais de 2 mil pessoas

No primeiro semestre deste ano, 2.627 idosos ou pessoas a eles vinculadas encontraram apoio na Central Judicial do Idoso, em questões relativas à Lei 10.741/03, mais conhecida como Estatuto do Idoso. Há uma década, a Central oferece acolhimento às pessoas com mais de 60 anos de idade que têm seus direitos ameaçados ou violados e que necessitam de orientação na esfera da Justiça. Dos atendimentos realizados de janeiro a junho, 556 foram acolhimentos (quando a pessoa chega pela primeira vez à Central) e 856 constituíram em acompanhamentos de casos já iniciados. O serviço psicossocial atendeu 133 pessoas e outras 1.082 foram orientadas por telefone. A Central realizou também 98 sessões de mediação pré-processual para 49 casos novos, dos quais 13 resultaram em acordos, o que equivale a 79,4% dos casos.

O trabalho da Central tem sido aprovado pelos usuários. Uma pesquisa de satisfação sobre os atendimentos, com 297 questionários preenchidos, indicou que 90,4% dos respondentes consideraram que o atendimento da CJI foi apropriado para o seu caso; 83,9% tiveram as suas necessidades supridas no tocante ao atendimento prestado e 98,6% recomendariam a Central para outra pessoa. Para 97,3% a visão que têm do Poder Judiciário melhorou ou continuou positiva depois de passar pela Central do Idoso.

As qualificações de bom ou excelente foram dadas por 86,3% dos respondentes para o quesito tempo de espera para o atendimento; por 92,2% para a qualidade do espaço físico e por 98,9% para o atendimento dos servidores no local. Em relação à satisfação geral com o atendente dos casos, 90,2% assinalaram a opção excelente e 9%, a opção boa. O nível geral de satisfação com o serviço prestado foi de 93,8%.

 

Publicidade

A Central Judicial do Idoso está vinculada ao Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPECON) e segue sua filosofia de buscar resolução de conflitos de forma não-adversarial, buscando, na medida do possível, evitar a judicialização das demandas. Para isso, utiliza-se da mediação. Para os participantes das mediações, foi apresentado outro questionário que resultou em 136 respostas. Dos participantes, 99,3% avaliaram positivamente o serviço prestado pelos mediadores e 97,7% recomendariam a mediação para outra pessoa. Dos entrevistados, 94% não se sentiram pressionados a fechar o acordo e 86,4% consideraram que a mediação os ajudou a resolver o conflito. Para 99,2%, os mediadores foram atenciosos e cuidadosos nas tratativas dos casos em questão e 86,7% sinalizaram a imparcialidade dos mediadores na condução da demanda. Com relação ao nível de satisfação, 94,5% consideraram-se satisfeitos ou muito satisfeitos com a mediação.

No primeiro semestre deste ano, a Central também investiu em formação de pessoal, por meio da participação de servidores em um curso, duas palestras e um treinamento, com o propósito de aprimorar o serviço oferecido aos idosos do Distrito Federal.

A Central Judicial do Idoso é um projeto pioneiro do TJDFT, do Ministério Público do DF e da Defensoria Pública. Seus objetivos principais são garantir a efetiva aplicação do Estatuto do Idoso, prover a comunidade do DF de informações, promover articulação com instituições para atendimento de demandas e assessorar autoridades competentes.

Para saber mais sobre a Central do Idoso, clique aqui.

TJDF

 

Publicidade

Comentários

}