O jornal eletrônico de Águas Claras • Sexta Feira, 17 de Agosto de 2018

0

Mercado

Crise na Abril: editora demite 500 funcionários e encerra dez títulos

A maior editora de revistas do Brasil passa pela pior crise desde a sua fundação em 1950

O Grupo Abril anunciou internamente, na manhã desta segunda-feira, 6, o fechamento de Cosmopolitan, Elle, Boa Forma, VIP, Viagem e Turismo, Mundo Estranho, Arquitetura, Casa Claudia, Minha Casa e Bebe.com. As revistas Veja, Exame e Claudia foram poupadas, segundo apuração de Meio & Mensagem.

A decisão foi anunciada em uma reunião com funcionários. Ainda há dúvidas sobre a manutenção de Superinteressante e Quatro Rodas. É o anúncio mais recente após o Grupo passar o comando da editora à Alvarez & Marsal.

Num mundo cada vez mais conectado aos meios digitais, está cada vez mais difícil manter a competitividade de títulos impressos. Donos de jornais e revistas do mundo inteiro se vêem obrigados a cortar gastos e investir fortemente na versão online de seus veículos. Isto aconteceu com a Folha, que em 2016 enxugou seu quadro de jornalistas, e em 2017 a Abril já uma reestruturação com demissões e entrega de patrimônio, pelos parcos resultados financeiros.

 

Publicidade

História da Abril

Em 1950, Victor Civita, um descendente de italianos nascido em Nova York, resolveu seguir o caminho do irmão César, que já publicava revistas infantis em Buenos Aires, fundou uma editora em um pequeno escritório no centro de São Paulo. No dia 12 de julho era lançada a versão brasileira dos quadrinhos do Pato Donald. Batizada inicialmente como Editora Primavera, uma referência a Editorial Abril, editora argentina do irmão César, a empresa tinha capital de apenas US$ 500 mil.

No ano seguinte, a primeira gráfica da Abril foi inaugurada no bairro de Santana. O próprio Civita ia ao encontro dos jornaleiros para oferecer os gibis do Pato Donald. Somente em 1952 surgiram as revistas. A primeira foi Capricho, focada em fotonovelas e reformulada em 1981 para atender aos adolescentes. Nos anos 1960, a empresa investiu na publicação de enciclopédias e outras obras de referência.

Também nos anos 1960, surgiria a Veja, uma das publicações mais relevantes do jornalismo brasileiro nos últimos 50 anos. No auge, a publicação era a segunda maior revista semanal do mundo. Com o crescimento da indústria automobilística e do turismo brasileiros impulsionaram o surgimento das revistas Quatro Rodas e Viagem e Turismo. Futebol e sexo ganharam revistas sobre o assunto com publicações como Placar, Playboy, Vip e Men’s Health.

Manequim foi a primeira revista da Abril voltada ao segmento de moda e Cláudia era focada nas donas de casa. Nas décadas seguintes, surgiriam inúmeros títulos direcionados ao público feminino, entre os quais Nova (atual Cosmopolitan) e Elle. Em maio de 2006 a empresa anunciou a sociedade com o grupo de mídia sul-africano Naspers, que passou a deter 30% do capital da ABRIL. Em 2008, A Abril trouxe para o mercado brasileiro títulos internacionais no segmento de saúde, como a Women’s Health e Runner’s World.

 

Via Meio&Mensagem

 

Publicidade

 

Comentários

}