O jornal eletrônico de Águas Claras • Quarta Feira, 25 de Abril de 2018

0

Educação

Infância e Juventude: um novo olhar sobre crianças e adolescentes acolhidos

Como tornar a vida de crianças e adolescentes acolhidos mais leve? Como fazer com que eles acreditem que é possível escrever uma nova história? Esse é um dos desafios da Promotoria de Justiça Cível da Infância e da Juventude, que tem buscado melhorar a vida daqueles que estão em abrigos.

 

Com o projeto-piloto Rede Colaborativa de Acolhimento, o Ministério Público e instituições parceiras têm promovido atividades extracurriculares como yoga, meditação e palestras motivacionais para crianças e adolescentes acolhidos. Uma das missões ministeriais é zelar pelo efetivo respeito aos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, além de prestar atendimento e orientação às entidades governamentais e não governamentais que desenvolvem programas de atendimento.

 

Na última semana, crianças e adolescentes atendidos por três instituições – Casa da Criança Batuíra (Ceilândia), Casa do Caminho (Taguatinga Norte) e Casa de Ismael (Asa Norte) – tiveram a oportunidade de ouvir a história de vida do brasileiro que figurou na lista latino-americana 2010/2011 de candidatos ao Prêmio Nobel da Paz Carlos Roberto dos Santos, presidente do Instituto Pró-Menor e suboficial da Aeronáutica. Ele também esteve na Unidade de Internação do Recanto das Emas (Unire).

 

Publicidade

 

“O menor que se fez maior”

Palestra Promenor 1Intitulada “O menor que se fez maior”, a palestra contou um pouco da história de vida de Carlinhos, que passou a infância e a adolescência em orfanatos, 12 no total. Nascido em Cataguases, no interior de Minas Gerais, ele se mudou para o Rio de Janeiro com os pais e o irmão mais novo ainda era bebê.

 

A família morava num barraco na favela Nova Holanda, em Bonsucesso, quando a sua mãe morreu. O pai entregou os filhos a uma vizinha, dizendo que os buscaria em uma semana. Mas nunca cumpriu a promessa. Carlinhos colecionou fugas para usar drogas com os colegas. Mas a sua vida mudou de rumo quando foi aprovado na Escola de Especialistas da Aeronáutica. Hoje, Carlinhos é educador, escritor, militar e palestrante. Saiba mais em: http://www.institutopromenor.org/.

 

Pró-Menor

Em 1983, fundou o Instituto Pró-menor, na Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, em parceria com a Força Aérea Brasileira. O objetivo era desenvolver atividades direcionadas à inclusão social de crianças e jovens, por meio de cursos profissionalizantes. Ao longo da década de 1990, a organização ampliou sua ação para 18 estados, com criação de núcleos em bases aéreas, unidades do Exército e da Marinha, postos policiais e do Corpo de Bombeiros. {JOR}

 

Comentários

}