Aqui Águas Claras
Notícias

Destaques

Cine Brasília mantém Parasita em horário nobre

Diretor de Bacurau e outros cineastas comentam as premiações no Oscar do filme sul-coreano. Película fica em cartaz até domingo (16)

As quatro estatuetas do Oscar de Hollywood obtidas no domingo (9) pelo filme sul-coreano Parasita (melhor filme, filme internacional, direção e roteiro original) se tornaram um motivo a mais para a manutenção do longa em cartaz no Cine Brasília até domingo (16), no horário nobre, às 20h15.

A história da família de desempregados que cava oportunidades passando por cima de outras pessoas, mentindo e tramando – e que já havia dado ao diretor Bong Joon-ho a Palma de Ouro de Cannes em 2019 –, sinaliza para o que muitos veem como uma crítica do diretor ao capitalismo selvagem em curso no mundo.

A tese de que uma revolta dos excluídos gerados pelas desigualdades do capitalismo no mundo teria se transformado em algo com apelo universal, traço comum entre películas como Parasita, Bacurau e Coringa, para citar três produções do ano passado, é algo que chama a atenção do diretor Juliano Dornelles. O pernambucano assina Bacurau ao lado de Kléber Mendonça, filme de maior bilheteria em 2019 no Cine Brasília.

O diretor aponta também outros dois elementos que podem explicar as estatuetas dadas ontem a Parasita. “Tenho a impressão de que a Academia de Hollywood está tentando se abrir ao mercado asiático, conquistar espaço lá”, acredita.

De fato, esses filmes têm um parentesco entre eles e parecem refletir uma energia que está pairando sobre o mundo

Juliano Dorneles, coautor de Bacurau

Ele também lembra do investimento do governo sul-coreano em produções culturais, apoiando a indústria nacional. “É algo que deveria nos inspirar aqui. O Oscar que receberam é resultado de um trabalho bem feito”, avalia.

O diretor brasiliense Gustavo Galvão diz que Parasita é uma crítica potente não só ao capitalismo, mas principalmente ao modo como abraçamos tudo que ele impõe, muitas vezes sem questionamentos. “O que torna este filme tão único é que ele não faz uma crítica direcionada ao sistema em si, ele aponta o dedo para o espectador”, comenta ele.

“Não diria que se trata da revolta dos excluídos necessariamente, vejo-o mais como uma tomada de consciência dos excluídos, o que é ainda mais interessante. Foi um momento histórico ver um filme tão contundente ser consagrado em Hollywood”, analisa Galvão, à frente de Ainda temos a imensidão da noite, em cartaz até quarta-feira (12) no Cine Brasília.

“Agora que as pessoas vão querer mesmo ver Parasita”, diz a cineasta Anna Karina de Carvalho, crítica da arte, curadora da 52ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro no ano passado. Ela elogia no filme “o roteiro de primeiríssima”, direção, atuações e temática. “Pessoalmente, concordo que foi o melhor filme do ano passado, talvez da década”, afirma.

Inaudito

A telona do Cine Brasília vai abrir ainda espaço exclusivo para um filme de corte mais experimental. Trata-se de Inaudito, do diretor paulista Gregório Gananian, autor de videoclipes, curtas e projetos intermídias.

O documentário conta a trajetória do guitarrista Lanny Gordin, cujo som eletrizou estrelas do porte de Gal Costa, Caetano Veloso e Jards Macalé. A revista Rolling Stones BR publicou há seis anos uma lista com os 30 maiores guitarristas de todos os tempos e incluiu nela o nome de Gordin.

Continuam na programação do Cine Brasília até domingo os brasileiro Inferninho e o documentário polonês Com amor Van Gogh – O sonho impossível.